Vestibular 2017Novembro AzulAtenção	ESPECIALIZAÇÃO EM:Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica com ênfase em Acompanhamento 
Farmacoterapêutico	ESPECIALIZAÇÃO EM:Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica com ênfase em Acompanhamento 
FarmacoterapêuticoDia do AdministradorVestibular Inverno 2017Quero BolsaFaculdade Dom Bosco

Detalhes da Notícia


Seminário de Educação Afetivo–Sexual

()

A Faculdade Dom Bosco de Cornélio Procópio realizou, no dia 4 de junho, das 8 às 17 horas, o  I Seminário de Educação Afetivo-Sexual: Corpo, Gênero e Sexualidade e II Ciclo de Palestras em Educação, Sexualidade, Saúde e Direito Sexual. O evento foi organizado pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em EducaçãoGEPES - PET - MEC, coordenado pela professora doutora Cláudia Bonfim, com o objetivo de promover o debate sobre a construção sócio-histórico-cultural da sexualidade, dos papéis de gênero e das práticas sociais na constituição dos corpos, com ênfase nas práticas escolares.
Palestrantes consolidados na área conduziram reflexões sobre diversas temáticas da sexualidade. Entre os palestratantes estavam os próprios membros do GEPES, que socializaram com a comunidade os trabalhos científicos que produziram. Durante o Seminário foi realizado o lançamento do livro 'Educação Sexual e Formação de Professores: Da Educação Sexual que temos à Educação que queremos',  da pesquisadora e professora da Faculdade 'Dom Bosco', doutora Cláudia Bonfim.
A primeira edição do evento foi realizada em 2010, contando com a participação, em sua maioria, de alunos da própria faculdade. Esta segunda edição triplicou o número de participantes, reunindo docentes e futuros docentes de Cornélio Procópio e região. 
O GEPES agrade a todos os participantes, aos palestrantes que voluntariamente abrilhantaram o evento, em especial a Direção da Faculdade Dom Bosco, ao Programa de Educação Tutorial (PET) - Ministério da Educação (MEC), à Associação Brasileira de Educação Sexual (ABRADES) e ao Programa de Ação e Metas da Prefeitura Municipal (PAM) pelo apoio ao evento.
O que motiva nossa luta pela Educação Afetivo-Sexual Emancipatória é nossa paixão pela sexualidade e a necessidade que vislumbramos de provocar reflexões e contribuir para a formação docente, para que possamos elevar a qualidade das intervenções sobre a temática da sexualidade nas escolas e na sociedade”, explica a doutora Cláudia Bonfim.