Semana de Atualização e Encontro CientíficoAtençãoAtenção	ESPECIALIZAÇÃO EM:Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica com ênfase em Acompanhamento 
FarmacoterapêuticoVestibular Inverno 2017Quero Bolsa

Detalhes da Notícia


Faculdade Dom Bosco participa de passeata organizada pela família do jovem Uber assassinado em Londrina

(2018-04-27 01:30:39)

Manifestação teve participação de familiares do “Juninho e acadêmicos da instituição.

 

Familiares do jovem Uber Flávio Martins Ribeiro Junior, 23 anos, de Sertaneja, assassinado no último dia 27 de fevereiro, em Londrina, promoveram na noite de quarta-feira, 25, uma passeata na Avenida XV de Novembro, em Cornélio Procópio, em busca de justiça. O evento contou com apoio incondicional da Faculdade Dom Bosco.

Dezenas de pessoas, entre membros amigos e familiares de “Juninho” e acadêmicos da escola, desceram a principal avenida da cidade, portando diversos cartazes. Um deles dizia o seguinte: “Luto por Flavio Junior e por todas as vítimas de violência – Precisamos colocar um basta – Queremos justiça”.

Flávio  Martins Ribeiro, pai de Juninho, disse que está elaborando um abaixo-assinado com a coleta de assinaturas em favor da redução da maioridade penal e leis mais rígidas de punição contra autores de crimes contra a vida, sejam adultos ou menores de idade.

Para ele, as manifestações realizadas até agora têm contribuído para a manutenção da prisão dos suspeitos do assassinato do filho Flavio Martins Ribeiro Junior.

“Atualmente, muitos criminosos são beneficiados pela lei e o que nós buscamos é justiça não só pela morte do meu filho, mas também pelos crimes de outros jovens que acontecem constantemente e ficam sem punição”, destacou.

O diretor da mantenedora da Facudade Dom Bosco, Dorival Almeida, disse que é triste reviver neste momento a morte de “Juninho”, mas, a faculdade não pode ficar omissa diante da impunidade que existe na área criminal.

“A escola apóia o projeto de Flávio Ribeiro na luta pela aprovação da maioridade penal para menores”, acrescentou.

E Almeida disse mais: “Se um menino de 16 anos pode votar e eleger nossos representantes, então, ele deve ser responsabilizado pelos seus atos, como acontece com os adultos”.